Conheça os melhores vinhos e cachaças da 40ª Expointer

agricultura_familiar_expointer_2017
Produto da Coopeg teve o vinho tinto de mesa seco como melhor avaliado nesta categoria do concurso – Foto: Karine Viana

Muito além do agronegócio, a 40ª Expointer oferece os melhores alimentos produzidos pelos pequenos agricultores gaúchos. Entre as agroindústrias premiadas no 6º Concurso da Agricultura Familiar, estão as que conquistam a renda familiar produzindo e vendendo bebidas de alta qualidade, como vinhos e cachaças. Os produtos estão à disposição até domingo (3), no Pavilhão da Agricultura Familiar (22 do mapa oficial da feira), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

Em seis dias, as vendas do Pavilhão da Agricultura Familiar chegaram a R$ 1,6 milhão, conforme levantamento divulgado nesta sexta-feira (1º). Isso representa um crescimento de 32% em relação ao faturamento no mesmo período do ano passado.

A tradição é um dos segredos para a qualidade dos produtos que estão alavancando as vendas. Por isso, a Cooperativa de Produtores Ecologistas (Coopeg), de Garibaldi, teve seu vinho tinto de mesa seco como o melhor avaliado nesta categoria do concurso. Os vinhos são apenas parte dos produtos comercializados pela cooperativa, que possui 58 sócios cadastrados, sendo representada na feira desde 2003. A garrafa premiada de 750 ml é vendida a R$ 18 na feira.

“O vinho, produzido no Vale dos Vinhedos, é coisa de família. Ainda tenho na minha propriedade as videiras que meu bisavô plantou, em 1884, quando chegou no Brasil, e elas produzem uvas fantásticas até hoje”, contou o enólogo e presidente da Coopeg, Jorge Mariani, que começou a produzir a bebida em 1998 e deu início ao negócio em 2001.

Esta é a primeira vez que a cooperativa foi premiada na categoria de vinhos, pois a organização foca na produção de hortifruti. Mariani conta que já foram premiados na categoria de suco de uva integral e reconhecidos em uma pesquisa sobre sucos orgânicos no Brasil, feita pelas revistas Veja e Quatro Rodas. Além disso, o enólogo destaca que, em 2015, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) reconheceu a Coopeg como exemplo a ser seguido de cooperativismo social e sustentável.

“Estamos colhendo os frutos da nossa participação na feira. Tivemos uma infinidade de oportunidades em virtude disso, como a assinatura com uma rede de supermercados. Participar da Expointer é muito vantajoso, não só no quesito comercial, mas de aproximação das autoridades e órgãos. Você acaba sendo visto, vai conversando, aprendendo, questionando e opinando; é uma construção, uma vitrine, e isso nos fez semear o caminho que nos levou ao prêmio”, reitera.

A Adega Mascarello, de Flores da Cunha, também comemora a terceira premiação com a tradição do vinho tinto fino seco Dom Bôrtolo. “Nos últimos três anos, os três vinhos da linha reserva ganharam o primeiro lugar na categoria. Ficamos muito contentes porque o movimento está excelente, o público está gostando e o clima (ensolarado) está ajudando”, comenta Jamur Mascarello.

Adega Mascarello, de Flores da Cunha, comemorou terceira premiação com tradição do vinho tinto fino seco Dom Bôrtolo
Adega Mascarello, de Flores da Cunha, comemorou terceira premiação com tradição do vinho tinto fino seco Dom Bôrtolo – Foto: Sofia Wolff

A produção atual de vinhos da família de origem italiana começou há 67 anos com o pai de Jamur, mas a paixão nasceu com o avô Bôrtolo, homenageado com a marca. Ao todo, são 15 rótulos comercializados. A garrafa de vinho premiada, de 750 ml, é vendida por R$ 32.

“Somos voltados a atender o consumidor final e outras lojas. Trabalhamos em cinco pessoas e pretendemos manter sempre o foco na qualidade do nosso produto”, afirma Jamur. Os vinhos Mascarello também são vendidos em Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

Trilhas turísticas como inspiração

A Casa Bucco, destilaria de Moacir Alberto Menegotto, já tem quase 100 anos de fundação. São inúmeros rótulos produzidos no Vale do Rio das Antas, em Bento Gonçalves, onde a tradição é o plantio de cana de açúcar e cachaça. Conforme os representantes da agroindústria, os alambiques gaúchos da Casa Bucco são os mais premiados dos últimos anos. A garrafa de 700 ml de cachaça envelhecida premium custa R$ 50 e é comercializada ao lado de dois lançamentos: o Brandy 10 anos e a reserva especial, ambos envelhecidos em carvalho francês.

Já os Destilados Santin, premiados na categoria cachaça prata, é um empreendimento que surgiu há pouco mais de cinco anos. “Nossa história começou nos Caminhos de Pedra, de Pinto Bandeira. Um vizinho fazia massa de tomate e licor, e o pessoal quis montar um alambique artesanal. Desde que registrei a agroindústria estamos participando da Expointer. Agora, não damos conta de tanta saída. Conforme a gente faz, estamos vendendo”, comemora Jandir Santin. A garrafa de 670 ml da cachaça é vendida por R$ 30.

Força do campo

No 6º Concurso da Agricultura Familiar, foram inscritos seis produtos na categoria vinho tinto de mesa, três na categoria vinho tinto fino seco, 15 na suco de uva integral, seis na salame tipo italiano, sete na salame colonial, oito na queijo colonial, seis na cachaça prata, seis na cachaça premium (envelhecida) e apenas uma amostra na categoria cachaça extra premium.

Os empreendimentos premiados participam do Programa Estadual de Agroindústria Familiar (Peaf) e têm produtos registrados no órgão sanitário competente, embalados, rotulados e dentro do prazo de validade.

A promoção é da Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), com apoio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Emater, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), da Associação dos Produtores de Cana-de-Açúcar e Seus Derivados no Estado do Rio Grande do Sul (Aprodecana) e da Embrapa Uva e Vinho.

Localização das agroindústrias campeãs:

Vinho tinto fino seco
Adega Mascarello
Banca 171 – Rua 3

Vinho tinto de mesa seco
1º Cooperativa de Produtores Ecologistas (Coopeg)Banca 96 – Rua 5

Suco de uva integral
1º Cooperativa Agropecuária
Banca 18 – Rua 1

Queijo colonial
1º Laticínios Pipo
Banca 112 – Rua 6

Salame tipo italiano
1º Bergamaschi
Banca 111 – Rua 6

Salame tipo colonial
1º Fioresi
Banca 84 – Rua 4

Cachaça prata
1º Destilados Santin
Banca 42 – Rua B

Cachaça envelhecida premium
1º Casa Bucco
Banca 47 – Rua B

Mel
1º Mel Teixeira TX
Banca 138 – Rua E

A categoria de cachaça envelhecida extra premium, com no mínimo três anos de envelhecimento, não foi avaliada porque houve apenas um inscrito.

Texto: Letícia Bonato
Edição: Gonçalo Valduga/Secom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s